García, Juan C. Ciências sociais em saúde na América Latina. Em:Nunes, Everardo D. (org.). Juan Cesár García pensamento social em saúde naAmérica Latina. São Paulo: Cortez Editora / Associação Brasileira de SaúdeColetiva; 1989. p. 148 - 158.

Objetivos: Com o formato de uma auto-entrevista Juan César García responde perguntas sobre o nascimento e desenvolvimento da medicina social latino-americana e sobre suas origens européias.

Metodologia: Analítica e interpretativa.

Resultados: O autor descreve a existência do campo do conhecimento científico responsável pelos aspectos sociais relacionados com o processo saúde-doença e com os serviços de saúde. Este campo têm recebido diversas denominações que implicam em algumas variações do objeto de estudo (medicina social, ciências sociais aplicadas a saúde, sociologia médica, economia médica, entre outros).

Descreve a história européia e o significado do termo medicina social. Explica a difusão do nome medicina social através dos seminários, que desde a década de 50, a Organização Panamericana de Saúde (OPS) organizou em diferentes países para reformular o ensino da medicina preventiva e social, e modernizar a formação das escolas de medicina latino-americanas. Resenha os projetos apoiados pela OPS, as Fundações Milbank e Rockefeller para estudarem a formação médica na América Latina e introduzirem mudanças.

O autor analisa o desenvolvimento dos movimentos sociais e políticos do final da década de 60 e começo da década de 70 que, no terceiro mundo, vão questionar as instituições estabelecidas e propor formas alternativas de organizações que considerem as especificidades dos países. Estes processos permitiram que a medicina social se tornasse mais autônoma. A partir deste período são criados dois espaços diferentes de formação e de prática: a saúde pública, a medicina preventiva e social.

Conclusões: Este breve artigo caracteriza historicamente o desenvolvimento da medicina social latino-americana.

Copyright 2007 University of New Mexico